quarta-feira, 22 de junho de 2011

Retorno

Vago espaço, denso, oculto
este fosco lugar em que me encontro.
Retorno ao de meu pai o velho túmulo
Volto a mim neste posto tão escuro.

E a vista de um vulto que me olha
Longe, ouço eu um som - murmúrio
Sua voz - um velho canto que ressoa
E agora como ele eu também durmo.