segunda-feira, 29 de julho de 2013

Espinho

o verbo - estancado em minha glote -
silenciou o fluxo
de letras-frase-oração
frente à palavra
calei-me.
não disse
engoli a seco o
espinho da palavra
que me fere
por não-dita
no seu silêncio -
que bendito
-
compõe
o poema que vomito


sábado, 22 de junho de 2013

Poesia para tempos de guerra

incomoda-me por nome às coisas
Fazê-lo é impor registro
cercear sentidos
significar o inefável,
este carrapicho que perturba
pela sua vaguidão
que não pode - nem deve - ser enunciada.

Meta-amor

Disse que não escreveria sobre o amor.
Decidido, não o fez,
fazendo.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Lembrar para esquecer

o poema poderia começar assim.
entretanto, o faz ao contrário:
eu, sentado, escrevendo com os dedos no chão.
Seu Nome.
únicas letras que me lembro
e que juntas (ainda) significam.

quinta-feira, 7 de março de 2013


suspirante aproximou-se de mim.
olhos cândidos,
cabelos amarrados em fitas de cetim.
colo que se expandia em ondas
consoante seus passos suaves

jasmim, seu nome.
qual flor ou princesa:
encantante.

domingo, 3 de março de 2013

Transfiguração

Ao som de Lira

Poetar-se
Transformar a si
Em outro
Fingir-se

Ser mulher
Sentir
Cristornar-se em deus
Pão e vinho
Imagem e semelhança do homem
Não de mim
De si
Ti

In-migração
In-tolerar-se
In-suportar-se
In-quietar
Silenciar
Para todos ou dentro
Não de mim
De si.